Estimado Empresário,

A nova fase de candidaturas no âmbito do programa “Comercio Investe” inicia hoje, 13 de Fevereiro e disponibiliza 20 milhões de euros para a modernização do comércio tradicional.

A medida “Comércio Investe”, visa apoiar projetos individuais – promovidos por micro e pequenas empresas, inseridas nos CAE 47 (comércio a retalho), com a finalidade de modernização e valorização da oferta dos estabelecimentos abertos ao públicoatravés da aposta na inovação e da utilização de formas avançadas de comercialização, incentivando novas ideias e novos serviços de suporte ao cliente que permitam uma melhoria consistente e sustentada dos níveis de serviço prestado.

No presente concurso apenas são apoiados os estabelecimentos de comércio a retalho tradicional e de proximidade, com área de venda inferior a 500 metros quadrados englobando Micro e Pequenas empresas, independentemente da sua forma jurídica. 

O incentivo financeiro a conceder assume a natureza de incentivo não reembolsável (A FUNDO PERDIDO), correspondente a 40% das despesas elegíveis, não podendo ultrapassar o valor de 35.000€ por projeto individual. 

O investimento mínimo deve ser superior a 15.000€.

 
DESPESAS ELEGÍVEIS E NÃO ELEGÍVEIS NOS PROJETOS INDIVIDUAIS
1 - Para efeitos de cálculo do incentivo financeiro, consideram-se elegíveis as despesas a afetar ao estabelecimento objeto da candidatura, relativas às seguintes áreas de investimento:
a) Aquisição de equipamentos e software para suporte à atividade comercial, nomeadamente, introdução de tecnologias de informação e comunicação, equipamentos e sistemas de segurança, dinamização de serviços pós-venda e outros que se mostrem necessários;
b) Aquisição de equipamentos e mobiliário que se destinem a áreas de venda ao público, visando a melhoria da imagem e animação dos estabelecimentos e a adequada identificação, localização e apresentação de produtos;
c) Aquisição de equipamentos, software e conceção de conteúdos destinados à criação ou dinamização da presença na Internet através de espaços virtuais de divulgação da oferta e de comércio eletrónico, para complemento à oferta existente no estabelecimento comercial;
d) Despesas com assistência técnica específica que tenha como objetivo o aumento da atratividade dos espaços de atendimento para o cliente, nomeadamente nas áreas da decoração, design de interiores, vitrinismo e tradução de conteúdos para língua estrangeira;
e) Despesas inerentes à certificação de sistemas, produtos e serviços no âmbito do sistema português da qualidade, nomeadamente despesas com a entidade certificadora, assistência técnica específica, ensaios e dispositivos de medição e monitorização, calibrações, bibliografia e ações de divulgação;
f) Despesas com a criação e proteção da propriedade industrial, nomeadamente, o desenvolvimento de insígnias ou marcas e os custos associados aos pedidos de direitos de propriedade industrial, designadamente taxas, pesquisas, anuidades e honorários de consultoria em matéria de propriedade industrial;
g) Requalificação da fachada, remodelação da área de venda ao público no interior do estabelecimento, e aquisição de toldos ou reclamos para colocação no exterior do estabelecimento;
h) Estudos, diagnósticos, conceção de imagem, projetos de arquitetura e das especialidades e processo de candidatura;
i) Intervenção de Técnico Oficial de Contas (TOC) ou Revisor Oficial de Contas (ROC), prevista na alínea a) do n.º 1 do artigo 24.º.
 
A submissão de candidaturas decorre entre 13 de Fevereiro e 27 de Março de 2015.

Esta comunicação é informativa e não dispensa nem invalida a consulta aos diplomas legais e demais informação sobre este tema:
http://www.iapmei.pt/iapmei-art-03.php?id=2904 
http://www.iapmei.pt/iapmei-art-03.php?id=2906 
http://www.iapmei.pt/iapmei-art-03.php?id=3142 

Para mais informações ou apoio na instrução de candidaturas, pf contacte-nos: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.